quinta-feira, 30 maio, 2024
HomePolíticaPresidente Lula recebe executivo do grupo indiano Tata Sons

Presidente Lula recebe executivo do grupo indiano Tata Sons

Em reunião com Natarajan Chandrasekaran, Lula expressou intenção de aumentar o comércio e os investimentos entre Brasil e Índia. Executivo indiano salientou que o grupo planeja abrir uma nova planta em Londrina (PR).

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva recebeu, na tarde desta segunda-feira, 25 de março, no Palácio do Planalto, o presidente do Conselho da Tata Sons, Natarajan Chandrasekaran. Também estavam presentes o vice-presidente e ministro do Desenvolvimento, Industria, Comércio e Serviços, Geraldo Alckmin, e o presidente da APEX Brasil, Jorge Viana.

O grupo indiano visita o Brasil em missão de prospecção de novos negócios.

O presidente Lula expressou intenção de aumentar o comércio e os investimentos entre Brasil e Índia, “muito pequenos em relação ao tamanho e às possibilidades dos dois países”.

Citou a propósito os esforços do Governo Federal no sentido da renovação da indústria brasileira (Nova Indústria) e exemplificou setores como o da saúde e o da transição energética como de grande potencial para o aumento do intercâmbio bilateral: “Brasil e Índia precisam construir uma parceria mais forte”.

O presidente reforçou também a importância de que sejam organizadas cada vez mais missões empresariais entre os dois países.

O presidente ouviu de Chandrasekaran que o grupo Tata já conta 150 anos de existência, e que em seu portfólio de negócios se destaca a indústria automobilística, seja de fabricação própria ou pela aquisição da Jaguar-Land Rover.

O grupo também tem presença marcada no setor energético e está entre os maiores produtores de componentes para energia eólica e solar, além de investir em biocombustíveis, veículos elétricos e demais setores envolvidos na transição energética.

O conglomerado atua também no agro, em fertilizantes, em medicamentos, em serviços financeiros e de seguros e na indústria aeroespacial. Também deve iniciar atuação nas áreas de baterias de lítio e semicondutores.

O executivo indiano salientou que o grupo tem hoje 5 mil empregados no Brasil e que planeja abrir uma nova planta em Londrina (PR), na área de TI, que poderá empregar cerca de 2,5 mil funcionários. Ele também concordou com o presidente Lula de que Brasil e Índia são países amigos e que há muitas oportunidades para aumentar as relações econômicas entre ambos.

O presidente Lula relembrou reunião empresarial bilateral realizada na Índia, em 2008, momento em que o fluxo de comércio era ainda menor e que o desafio era chegar a US$ 10 bilhões, meta que hoje já se concretizou, mas segue muito pequena. Lamentou as dificuldades de atuação da Organização Mundial do Comércio e ressaltou que, nesse cenário, cabe aos governos e empresários dinamizarem as relações econômicas entre os países.

Chandrasekaran falou também da experiência indiana, durante a presidência do G20 no ano passado, e destacou o desenvolvimento da plataforma B20, com o objetivo de fomentar contatos entre empresários e investidores, favorecendo a integração de cadeias produtivas, o desenvolvimento de talentos e a busca de soluções conjuntas em áreas de ponta, como a inteligência artificial.

O vice-presidente Geraldo Alckmin ressaltou a reforma tributária, que deverá facilitar o comercio internacional, citou também o Mover, programa para favorecer a inovação e o interesse do Brasil em veículos híbridos, e destacou que a renovação do parque industrial também trará mais oportunidades na área das energias renováveis.

Lembrou a iniciativa lancada pelos presidentes Lula e Joe Biden (Estados Unidos) em prol dos biocombustíveis. O executivo da Tata comentou que a Índia também realizou significativa reforma tributária.

O presidente Lula saudou o desenvolvimento da Índia como “algo muito positivo”, principalmente tendo em conta sua população de 1,4 bilhão de pessoas. Destacou que a Índia também tem realizado investimentos na África e outras regiões em desenvolvimento, onde a presença das nações desenvolvidas tem perdido importância relativa. Citou também que o Brasil está recuperando terras degradadas.

“Tenho esperança de que juntos podemos construir um mundo mais próspero”, disse o presidente. Salientou, nesse sentido, o combate à desigualdade como uma das prioridades colocadas pelo Brasil na presidência do G20, além da agenda da sustentabilidade e da reforma da governança global.

Matéria envida pela assessoria de comunicação da SECOM

Isaias Dutra
Jornalista Isaias Dutra e editor Chefe do Gazzeta Paulista
Artigos Relacioanados

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

- Advertisment -spot_img

Mais Lidos

Comentários Recentes